I Congresso Andifes: Forgepe discute protocolos de saúde e bem-estar nas universidades em tempos de COVID-19

Nesta quarta-feira, dia 17, o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Gestão de Pessoas realizou duas palestras dentro da programação do I Congresso da Andifes, que se estende até o dia 18 de junho. As servidoras Marília Borges Hackmann (UFRGS) e Ana Cláudia Souza Vazquez (UFCSPA) abordaram aspectos de protocolos de saúde e bem-estar no trabalho nas Universidade neste momento de pandemia do COVID-19. O evento foi transmitido abertamente pela plataforma MConf e e pela rede Multivídeos da UFRGS.

Na abertura, o Coordenador Nacional do Forgepe, Maurício Viegas, ressaltou os inúmeros desafios para a área de gestão de pessoas nesse momento, de pensar na continuidade do trabalho, nos diversos protocolos de saúde para retomada das atividades e, principalmente, no acolhimento das pessoas que atuam na universidade. O presidente da Andifes, João Carlos Salles, saudou os presentes e falou da importância da realização do I Congresso da Andifes, uma tentativa de elaboração de uma resposta das universidades federais nesse momento difícil, de crise em várias áreas. Salles destacou a complexidade de se pensar as relações de trabalho no âmbito das universidades, cujas atividades de ensino, pesquisa e extensão criam um ambiente único, e de como é preciso pensar em soluções conjuntas, que visem a defesa desses espaços.

Em sua palestra intitulada “Protocolos de Saúde e Segurança para retorno controlado ao trabalho”, Marília Borges Hackmann, Diretora do Departamento de Atenção à Saúde da UFRGS, trouxe uma visão geral sobre os diversos protocolos existentes neste momento da pandemia, os quais apresentam diretrizes validadas técnica e cientificamente para utilização de todos os profissionais. Além das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o retorno controlado das atividades presenciais, também devem ser observados os protocolos estaduais e municipais de controle à pandemia.

Marília destacou a necessidade de se pensar nas medidas de proteção de acordo com cada atividade desenvolvida (administrativa, de atendimento ao público, de atividade docente, de transporte etc.) e também de haver protocolos de prevenção (afastamento dos pertencentes ao grupo de risco) e rastreamento (isolamento das pessoas que apresentem sintomas de síndrome gripal). Outro protocolo citado foi o de cuidado com a saúde mental, para que as universidade pensem em estratégias e ações voltadas ao acolhimento de servidores neste momento.

Dentre os principais desafios nessa questão dos protocolos, Marília citou a busca pela adesão de todos da comunidade aos protocolos adotados; a constante revisão e adequação dos protocolos à medida que as descobertas científicas vão avançando e surgem novas orientações dos órgãos de saúde; a construção de estratégias possíveis e compatíveis com a realidade local; a adoção de atitudes empáticas e solidárias; a implantação ou manutenção de uma nova forma de gestão, com foco na preservação da vida e de condições saudáveis de trabalho de acordo com as realidades institucionais e locais; e a efetiva construção coletiva, que envolve uma mudança de paradigma.

Na sequência, a Pró-Reitora de Gestão com Pessoas da UFCSPA e também psicóloga, Ana Cláudia Souza Vazquez, trouxe uma reflexão sobre o trabalho saudável e o bem-estar em tempos de COVID-19, relatando a experiência da UFCSPA e abordando conceitos da Psicologia Positiva.

Para a Ana, é importante que a gestão da Universidade tenha claro como está a combinação de recursos e demandas, pois quando há uma situação contínua de falta de recursos e excessivas demandas, ocorre a geração de um processo de desgaste e adoecimento da força de trabalho. É preciso, segundo ela, focar nos fatores que protegem o bem-estar dos servidores, pensar nas forças, motivações, potencialidades e aspectos de proteção psicossocial, que orientam para um desempenho saudável. Ana também comentou sobre as especifidades dos trabalhadores de organizações públicas e privadas na pandemia da COVID-19 e de como as pesquisas e levantamentos realizados pelos órgãos públicos têm sido fundamentais no enfrentamento da crise, assim como tem sido importante a atuação das universidades junto a populações mais vulneráveis.

A Pró-Reitora compartilhou com os presentes o projeto estratégico para bem-estar no trabalho que está sendo desenvolvido pela PROGESP/UFCSPA neste momento, o qual busca desenvolver as competências sociomocionais e de bem-estar. A UFCSPA criou diversos protocolos de saúde mental para dar suporte aos servidores nas mais variadas situações, inclusive pós-pandemia. A retomada do trabalho presencial será escalonada, dividida em vários níveis, de acordo com cada caso. O objetivo do projeto é criar uma espiral positiva no ambiente de trabalho,  desenvolvendo rotas de bem-estar, de cuidado uns com os outros, de exercício de gratidão, de uso de suporte social,  manutenção da esperança e desenvolvimento de uma liderança engajadora.